RSS

terça-feira, 12 de maio de 2009

Meu jeito impulsiva de ser

Como poderia começar a expressar o que se passa neste momento?
Acho que poderia começar definindo a palavra IMPULSO.
Impulso, segundo o dicionário é: ato impensado, impulsão, ato de impelir, ímpeto, estímulo, instigação.

Sou o que se chama de pessoa impulsiva.
Como descrever? Acho que assim: vem-me uma ideia ou um sentimento e eu, em vez de refletir sobre o que me veio, ajo quase que imediatamente.
O resultado tem sido meio a meio: às vezes acontece que agi sob uma intuição dessas que não falham, às vezes erro completamente, o que prova que não se trata de intuição, mas de simples infantilidade.
Trata-se de saber se devo prosseguir nos meus impulsos. E até que ponto posso controlá-los. Há um perigo: se reflito demais, deixo de agir. E muitas vezes prova-se depois que eu deveria ter agido. Estou num impasse. Quero melhorar e não sei como.
Sob o impacto de um impulso, já fiz bem a algumas pessoas. E, às vezes, ter sido impulsiva me machuca muito. E mais: Nem sempre os meus impulsos são de boa origem. Vêm, por exemplo, da cólera. Essa cólera às vezes deveria ser desprezada; outras, como me disse uma amiga a meu respeito, são: cólera sagrada. Às vezes minha bondade é fraqueza, às vezes ela é benéfica a alguém ou a mim mesma. Às vezes restringir o impulso me anula e me deprime, às vezes restringi-lo dá-me uma sensação de força interna.
Que farei então?
Deverei continuar a acertar e a errar, aceitando os resultados resignadamente?
Ou devo lutar e tornar-me uma pessoa mais adulta?
E também tenho medo de tornar-me adulta demais: eu perderia um dos prazeres do que é um jogo infantil, do que tantas vezes é uma alegria pura.
Vou pensar no assunto. E certamente o resultado ainda virá sob a forma de um impulso.
Não sou madura bastante ainda. Ou nunca serei.
(Clarice Lispector)

Em alguns momentos considero-me uma pessoa impulsiva e nesses momentos fico além de inquieta bastante ansiosa. Por algumas vezes, já cheguei a me arrepender por algumas vezes quando agir por impulso por outras, já cheguei a perceber que aquele momento tive a sensatez de agir da melhor forma.
Adoro os textos da Clarice, em muitos é como se ela tivesse falando daquilo que existe dentro de mim, e este descrito acima não é diferente. As palavras acima citadas, conta minuciosamente o meu jeito de muitas vezes agir.

8 comentários:

Morango com leite condensado disse...

Eu também adoro os textos da Clarice Lispector... E da mesma forma que ela e vc me considero uma pessoa impulsiva. Mas acho que às vezes isso até me faz bem, pq assim ajo e se não fosse dessa forma não agiria.


Bjos

Na. disse...

Eu só sou impulsiva no falar... Mas para agir eu penso, penso, repenso! rsrs Mas se é pra falar, quando percebo já falei demais! Acho que não dá pra prever quando esses impulsos darão certo ou não, deve ser pura sorte!
Xerus
=***

Paula disse...

Eu também me considero uma pessoa impulsiva, mas tenho aprendido a silenciar quando o mais necessário for realmente refletir e sopesar os acontecimentos.

Olha, recebi um selo e estou compartilhando com você, ok?
E estou te linkando no meu blog também, ok? Beijão

Tainá Facó disse...

ah, a clarice sempre falando por nós.. eu amo essa mulher ao extremo. admiro-a e sonho em uma dia escrever como ela, hahah!

sou impulsiva, muitas vezes, no ato! Sempre. Não costumo esperar. VOU!

Pollyanna disse...

Sueleenn do céu! miiil desculpas pela demora pra responder! to numa correria danada por aqui.. acaboq ue nem visito ninguém há varios meses!

é dificil controlar o que sentimos, mas também nao chego a ver isso como uma qualidade ou defeito... é como vc disse, as vezes você vai acertar, outras nao...
vai de ti ver te quando vai te fazer bem agir assim... eu por exemplo, sempre me ferro... quando to ansiosa, acabo falando coisas que se estivesse mais tranquila nao diria... entende?
esse negocio de ser impulsivo nos deixa meio cegos... a gente nao vê direito o que tá fazendo...
é preciso ter cautela! pelo menos pra quem tem mania de se arrepender depois...


beeeeeeesos
ah, e obrigada pelo selo! adorei a justificativa, mesmo achando que nao combina muito comigo! auahuahuahua
eu so reclamooooooo! ahahaa

p.s: te linkei! ate que fim arrumei tempo!

Mr.Jones disse...

Sou impulsivo e não nego.
Minha impulsividade já me ajudou e atrapalhou diversas vezes a minha vida. Principalmente no âmbito emocional.
abraços

Amanda Rafaela disse...

Menina, estava lendo seu blog,que interessante, o texto pensava que era você ai comecei a pensar, ôxe ela pensa igualzinho a mim, quando terminei, era Clarisse Lispector, que coisa, tava doida pra comentar, me ajuda a fazer um, só acho estranho ficar falando da vida da pessoa. Vou querer trocar idéias contigo

Amanda Rafaela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.